O conhecimento da corrupção política nos media e nas redes sociais numa perspetiva comparada reveste-se, em Portugal e nos países incluídos no projeto da maior relevância científica e social. Segundo os dados do Eurobarómetro de 2011, 97% dos portugueses acreditam que a corrupção é o principal problema do país. Inquiridos em estudos nacionais, os portugueses afirmam que as suas perceções se baseiam sobretudo nos media. Outros estudos realizados por Sousa e Triães (2008) sobre a perceção da corrupção constatam, também, que os portugueses formam a sua opinião com base nos media. Contudo, dados oficiais mostram que número de processos sobre corrupção é diminuto quando comparado com a perceção da corrupção obtida através dos media. Esses trabalhos não contemplam contudo o estudo da cobertura da corrupção nos media, imprescindível à compreensão da dimensão pública do fenómeno. O projeto Corrupção política nos media: uma perspetiva comparada propõe-se preencher essa lacuna. Trata-se de um estudo pioneiro cuja vertente inovadora consiste no estudo da corrupção política nos media tradicionais e nas suas edições eletrónicas; nos estudos das redes sociais, nomeadamente em blogs políticos; na perspetiva comparada em três países do arco ibero-afro-americano (Brasil, Moçambique e Portugal). Nos países parceiros, serão analisados casos de corrupção política com projeção nacional em cada país.

corpus está a critério de cada parceiro, enquanto as metodologias tendem a compatibilizar-se com vista à comparabilidade dos resultados. As perguntas de partida do projeto articulam-se do seguinte modo: qual a relação entre sistema político e sistema mediático na cobertura da corrupção política; em que medida a intensidade da cobertura jornalística dos casos de corrupção política refletem nas eleições; quais os atores com maior proeminência na cobertura da corrupção política; em que medida os casos de corrupção política preenchem agendas jornalísticas; qual o papel dos media e do jornalismo na perceção pública deste fenómeno; quais as fontes e o tratamento conferido pelos media e pelos jornalistas ao tema da corrupção política.

A estratégia metodológica da investigação abrange uma dimensão estrutural e uma dimensão operativa. A primeira contempla a caracterização dos sistemas políticos e mediáticos de cada um dos países incluídos no projeto, à luz dos trabalhos de Halim e Mancini (2004). Os instrumentos de análise são, nesta dimensão, a pesquisa documental e estatística e entrevistas semiestruturadas a profissionais dos media, da política e da justiça. Na dimensão operativa é analisado o conteúdo manifesto dos media selecionados, através de análise de conteúdo – quantitativa e qualitativa – completada com entrevistas a jornalistas que trabalharam em casos de corrupção. Para a análise dos blogs está previsto recorrer-se a novas ferramentas e metodologias de análise da Web 2.0.

Os resultados do projeto trarão indicadores sobre os contextos nacionais dos países envolvidos em que se produz o discurso mediático sobre a corrupção, os fatores que esse discurso mais evidencia e os potenciais efeitos que possa provocar ao nível do discurso e das perceções sociais existentes sobre a problemática da corrupção. Contribuirá também para o desenvolvimento de novas metodologias de triangulação nas ciências sociais e humanas, nomeadamente para os estudos comparados sobre os media e o jornalismo no espaço ibérico e da lusofonia, abrangendo pela primeira vez as redes sociais, nomeadamente blogs, produzindo nesta vertente indicadores sobre a sua influência nos media tradicionais. Os resultados desta investigação permitirão, igualmente, aferir as relações entre cobertura jornalística da corrupção política e eleições, bem como o papel dos media e do jornalismo na perceção pública deste fenómeno.

Pretende-se que o conhecimento adquirido possa reverter para a sociedade civil, através de ações de formação e de sensibilização de jornalistas, funcionários das autarquias, agentes do sistema judiciário e membros do campo político, nos países participantes.

O projecto é liderado por Isabel Ferin Cunha (CIMJ/UC) e conta com os seguintes investigadores portugueses Estrela Serrano (CIMJ), Ana Cabrera (CIMJ), Hermenegildo Gomes (CIMJ/UNL), António João Maia (CIMJ), Bruno Paixão (CIMJ/UC), Rita Figueiras (UCP), Vanda Calado (CIMJ/ERC), Mafalda Lobo (CIMJ) e Rui Hortelão.

Em Moçambique o projeto está sediado no Centro de Estudos Inter-disciplinares de Comunicação (CEC)  e é liderado por Ernesto Nhahnale. No Brasil o projeto é coordenado por Helcimara Telles do departamento de Ciência Política e integrante do Grupo de Pesquisa “Opinião Pública, Marketing Político e Comportamento Eleitoral”.

Bibliografia

Adamic, L.  and Glance, N. (2005) “The Political Blogosphere and the 2004 U.S. Election: Divided They Blog”, http://nielsen-online.com/downloads/us/buzz/wp_PoliticalBlogosphere_Glance_2004.pdf

Allern, S. e Pollack, E. (2012). The mediated construction of Political Scandals in Four Nordic Countries. Goteborg: Nordicom, University of Gothenburg.

Anderson, C. (2006) The Long Tail: Why the Future of Business is Selling Less of More. New York: Hyperion.

Avritzer, L. e Figueiras, F. (2011) Corrupção e sistema político no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Babo-Lança, I. (2008) A Corrupção como problema public e a nova ética da confiança. Lisboa, ISCTE. Revista Trajectis. 12:7-20

Benkler, Y. (2006) The Wealth of Networks: How Social Production Transforms Markets and Freedom. New Haven, CT: Yale University Press.

Blankenburg, E. (2002) “From Political Clientelism to Outrighy Corruption — The rise of the Scandal Industry” In: Kotkin, S. and Sajó, A. (2002), Political Corruption in transition: a sceptic’s handbook, CEU Press: Central European University Press: 149-165.

Blankenburg, E. (2002). From Political Clientelism to Outrighy Corruption — The rise of the Scandal Industry, pp. 149-165. In: Kotkin, Stephen & Sajó, A. Political Corruption in transition: a sceptic’s handbook. Budapeste: Central European University Press.

Bowman, S. and Willis, C. (2003) We Media: How Audiences are Shaping the Future of News and Information. Available at: http://www.hypergene.net/wemedia/download/we_media.pdf

Brewer, P. R. and Sigelman, L. (2002) “Political Scientists as Color Commentators, Framing and Expert Commentary in media campaign Coverage”. Press/Politics 7 (1): 23-35.

Canavilhas, João (2006). Political blogs in Portugal Has the device created new actors?. In http://www.bocc.ubi.pt/pag/canavilhas-joao-political-blogs-in-portugal.pdf.

Canel, M. J. and Sanders, K. (2005) Morality Tales: Political Scandal and Journalism in Britain and Spain in the 1990s. Cresskill, NJ: Hampton Press.

Castells, M. (2000) The Rise of the Network Society. Malden, MA: Blackwell.

Chu, D. (2012) Interpreting news values in j-blogs: Case studies of journalist bloggers in post-1997 Hong KongJournalism 2012 13: 371.

Cunha, I. F. (2011) Media, Cidadania e Comunicação Política. Maputo: Centro de Estudos Interdisciplinares de Comunicação. Revista Comunicação & Sociedade, nº1, pp. 5-24.

Cunha, I. F. (2012) Crise, Corrupção Política e Media In: Peixinho, A.T. e Camponês, C. Aprofundar a Crise. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, pp. 119-140.

Edelman, M. (1976) The Symbolic Uses of Politics, Champaign,University of Illinois Press.

Esser, F.and Pfetsch, B. (eds) (2004) Comparing Political Communication.Theories, Cases and Challenges. Cambridge: Cambridge University Press.

Fairclough, I.  and Fairclough, N. (2012) Political Discourse Analysis. London: Routledge.

Fairclough, N. (2000) New Labour, New Language, London: Routledge.

Filgueiras, F. (2008) Corrupção, Democracia e Legitimidade, Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Gamson, W. A. (1992) Talking Politics. Cambridge: Cambridge University Press

Goffman, E. (1974-1986) Frame Analysis. Boston: Northeastern University Press

Hallin, Daniel C., and Paolo Mancini. 2004. Comparing Media Systems. Three Models of Media and Politics. New York: Cambridge University Press.

Herring, S. C. (2004). Computer-mediated discourse analysis: An approach to researching online behavior. In S. A. Barab, R. Kling, & J. H. Gray (Eds.), Designing for virtual communities in the service of learning (pp. 338-376). New York: Cambridge University Press.

Herring, S. C., Scheidt, L. A., Kouper, I., & Wright, E. (2006). Longitudinal content analysis of weblogs: 2003-2004. In M. Tremayne (Ed.), Blogging, citizenship, and the future of media (pp. 3-20). London: Routledge.

Lindstedt, C. and Naurin, D. (2009) “Transparency is not enough: making transparency effective in reducing corruption”, International Political Science Review 31 (3): 301-322.

Lowrey, W. (2006) Mapping the journalism-blogging relationship. Journalism 7(4): 477–500.

McCombs, M. (2004) Setting the Agenda: The Mass Media and Public Opinion. Cambridge: Policy Press.

McCombs, M. and Shaw, D. (1972) The agenda-setting function of mass media. Public Opinion Quarterly 36: 176–87.

Paixão, B. (2010) O Escândalo Político em Portugal, Coimbra: Minerva.

Sanders, K. and Canel, M. J. (2006) A scribbling tribe Reporting political scandal in Britain and Spain Journalism 2006 7: 453

Serrano, E. (2010) Spin doctoring e profissionalização da comunicação política, Conceitos de Comunicação Política (João Carlos Correia coord). http://www.livroslabcom.ubi.pt/sinopse/correia-conceitos-2010.html

Shirky, C. (2008) Here Comes Everybody: The Power of Organizing without Organizations. New York: Penguin Press.SmRa08

Sousa, L. de e Triães, J. (2008) Corrupção e os Portugueses: atitudes, práticas e valores, Oeiras: Rui Costa Pinto Editores.

Thompson, J. B. (2000) Political Scandal. Power and Visibility in the Media Age. Cambridge: Polity.

Fontes

Relatório da  Comissão Europeia sobre corrupção 2014

http://ec.europa.eu/dgs/home-affairs/e-library/documents/policies/organized-crime-and-human-trafficking/corruption/docs/acr_2014_en.pdf

Relatório da  Comissão Europeia sobre corrupção 2014 em Portugal

http://ec.europa.eu/dgs/home-affairs/what-we-do/policies/organized-crime-and-human-trafficking/corruption/anti-corruption-report/docs/2014_acr_portugal_factsheet_en.pdf

Anúncios